3 Livros que me transformaram como empreendedor

No dia a dia da We Do Logos, a startup na qual sou sócio e CMO, procuro sempre me inspirar e atualizar com livros e materiais sobre gestão, negócios, liderança e empreendedorismo. Recentemente, meu amigo Diego Gomes me convidou a fazer uma lista dos livros que mais me influenciaram como empreendedor e esse é o resultado. Ao invés de fazer um listão, preferi compilar 3 títulos que me influenciaram pra caramba. Linkei alguns livros para Amazon para quem quiser comprar o livro e também para o 12minutos, um app que sumariza as ideias de livros de não ficção. Vamos nessa:

1)  Jack Definitivo

jack

 

 

 

 

 

 

Esse é o número um da lista e é sim de propósito. É até agora o melhor livro de negócios que já li e que aprendi lições valiosas para minha vida pessoal e profissional.

O livro conta toda a história de Jack Welch antes, durante e um pouco depois de se tornar CEO da G.E, uma das maiores empresas do mundo.

Rico em detalhes e extremamente profundo nas relações pessoais e profissionais o livro mostra a essência do que foi a G.E durante os 20 anos de Jack a frente dos mais variados negócios da empresa.

Abaixo os 3 principais pontos do livro para mim!

  • O modelo dos 20/70/10

Uma das grandes lições do livro pra mim foi sobre esse modelo de gestão.

  • 20% dos seus funcionários serão estrelas e farão a empresa crescer de maneira exponencial.
  • 70% dos seus funcionários se manterão na média, mas nunca serão estrelas, mas também não comprometem absurdamente o resultado final.
  • 10% dos seus funcionários estão em um nível abaixo do que você deveria permitir e certamente estão impactando negativamente no resultado final.

Anualmente Jack pedia que todas as áreas tirassem 10% das pessoas que tivessem os piores indicadores. No começo a tarefa foi até simples, mas com o passar do tempo o nível foi subindo cada vez mais e obrigando todos a entregarem um resultado ainda melhor, pois a barra estava mais alta. Muitos gerentes inclusive inventavam nomes de pessoas que até já tinham sido demitidas para não ter que tirar alguém do time.

O ponto de reflexão, independente de você concordar com o modelo ou não, é de sempre termos que elevar a barra, ter regras claras e manter as pessoas em um nível de exigência e performance contínuo.

Dependendo do tamanho da sua empresa você não terá como tirar 10% das pessoas em um ano e nem recompensar os 20% que estão no topo, mas certamente você pode sempre manter a competitividade e se certificar de que os melhores terão sempre melhores trabalhando ao lado deles.

  • Se for fazer algo, que seja completo e bem feito

Todas as grandes mudanças feitas pela G.E ao longo desses 20 anos que o livro acompanha foram feitas de maneira completa e totalmente integradas com todas as áreas.

Um grande exemplo do livro é a implementação da metodologia Seis Sigma. No começo a adesão não é tão forte, as pessoas não se interessam tanto, os números não funcionam e a desconfiança é geral na empresa.

Então, Jack decide implementar severas mudanças na forma que o programa era visto e aplicado dentro da G.E. Com isso, passou-se a ter treinamentos, metas, recompensas, rankings, eventos e outras dezenas de coisas envolvendo o Seis Sigma. Ou seja, a empresa passou a viver, respirar, comer, beber e trabalhar Seis Sigma.

Dessa forma, aos poucos, o cenário foi evoluindo e a adesão foi completa e o entusiasmo tomou conta da empresa em relação a nova prática, pois todos estavam envolvidos com o projeto.

Aqui o ponto de reflexão é sobre a mensagem que você comunica e o resultado que você espera. Muitas vezes novas metas são traçadas, novos modelos de marketing, novos modelos de vendas, novos produtos, serviços etc. E muitas vezes nada disso funciona! Por que?

Você normalmente culpa seus funcionários pelo fracasso do projeto, mas já parou para pensar como ele foi repassado? A empresa deu todas as ferramentas necessárias? Fez treinamentos, fez apresentações, criou projeções, bônus, incentivos, estimulou realmente que todos vivessem e respirassem aquela mudança?

Toda e qualquer mudança só será completa se todos estiverem dispostos e abertos a mudar. E você precisa mostrar as pessoas o porque elas devem fazer isso. Nem que seja com incentivos psicológicos ou financeiros.

  • Você não é bom em tudo que faz

O livro mostra inúmeras aquisições feitas pela G.E nos 20 anos que Jack liderou a empresa. Os setores são os mais diversos possíveis, como o próprio slogan da empresa fala: Se dá para imaginar, dá para fazer.

Desde empresas complementares a empresas concorrentes até empresas de televisão. Esse é um pouco do portfólio adquiridos nos 20 anos.

O que mais me chamou atenção foi o fato de sempre ao entrar em qualquer negócio Jack tentava levar seus aprendizados de G.E para melhorar todas as outras empresas, porém sempre levava alguém de sua confiança para liderar o novo negócio. Afinal, toda empresa precisa de alguém que entende de negócio e do negócio.

Entendendo suas limitações Jack por vezes não caía na armadilha de querer ser o melhor em todas as áreas e tipos de empresas. Ele entendia que para ter sucesso precisaria de alguém forte e competente e que entendesse daquele mercado.

2) The Hard Thing About Hard Things

hard

 

 

 

 

 

 

Esse livro conta a história do Ben Horowitz a frente da Opsware antes da venda para a HP anos depois por 1.6 bilhões de dólares.

Sabe aquele livro que fala de sucesso, das grandes coisas boas que os empreendedores fazem, do glamour, do charme, do lifestyle… pois é, se você é desse tipo não leia esse livro!

Ele é exatamente o oposto e mostra de forma brilhante a realidade empreendedora. Os problemas, as dificuldades, as decisões difíceis, os momentos de indecisão, as lutas, os anos infernais e como empreender pode ser algo torturante e magnífico ao mesmo tempo.

Se você se sente assim algumas vezes, esse é o seu livro! Pois você vai encontrar uma história para admirar, inspirar e viver como se fosse a sua.

Abaixo os 3 principais pontos do livro para mim!

  • Vai piorar. Pode ter certeza, mas não desista.

Em grande parte do livro é mostrado as decisões incrivelmente difíceis que Bem tinha que tomar a frente da empresa.

Em um capítulo, em que a empresa está quase quebrando, Ben já está no auge do cansaço emocional e físico, ele sai para fazer fundraising. E quanto tudo parece que vai dar certo sua esposa telefona para ele contando que está com uma doença séria… Então ele fica entre o dilema da empresa e da família e tem que tomar uma grande decisão quanto a isso.

Para mim esse capítulo abaixo reflete da maneira mais real e poética o que é empreender e quais são os sentimentos que nos passam diariamente.

The Struggle is when you wonder why you started the company in the first place.

The Struggle is when people ask you why you don’t quit and you don’t know the answer.

The Struggle is when your employees think you are lying and you think they may be right.

The Struggle is when food loses its taste.

The Struggle is when you don’t believe you should be CEO of your company.

The Struggle is when you know that you are in over your head and you know that you cannot be replaced.

The Struggle is when everybody thinks you are an idiot, but nobody will fire you.

The Struggle is where self-doubt becomes self-hatred.

The Struggle is when you are having a conversation with someone and you can’t hear a word that they are saying because all you can hear is The Struggle.

The Struggle is when you want the pain to stop.

The Struggle is unhappiness.

The Struggle is when you go on vacation to feel better and you feel worse.

The Struggle is when you are surrounded by people and you are all alone.

The Struggle has no mercy.

The Struggle is the land of broken promises and crushed dreams. The Struggle is a cold sweat.

The Struggle is where your guts boil so much that you feel like you are going to spit blood.

The Struggle is not failure, but it causes failure. Especially if you are weak. Always if you are weak.

Most people are not strong enough.

Every great entrepreneur from Steve Jobs to Mark Zuckerberg went through The Struggle and struggle they did, so you are not alone. But that does not mean that you will make it. You may not make it. That is why it is The Struggle.

The Struggle is where greatness comes from.

Some stuff that may or may not help

There is no answer to The Struggle, but here are some things that helped me:

Don’t put it all on your shoulders – It is easy to think that the things that bother you will upset your people more. That’s not true. The opposite is true. Nobody takes the losses harder than the person most responsible. Nobody feels it more than you. You won’t be able to share every burden, but share every burden that you can. Get the maximum number of brains on the problems even if the problems represent existential threats.

When I ran Opsware and we were losing too many competitive deals, I called an all-hands and told the whole company that we were getting our asses kicked, and if we didn’t stop the bleeding, we were going to die. Nobody blinked. The team rallied, built a winning product and saved my sorry ass.

This is not checkers; this is mutherfuckin’ chess – Technology businesses tend to be extremely complex. The underlying technology moves, the competition moves, the market moves, the people move. As a result, like playing three-dimensional chess on Star Trek, there is always a move. You think you have no moves? How about taking your company public with $2M in trailing revenue and 340 employees, with a plan to do $75M in revenue the next year? I made that move. I made it in 2001, widely regarded as the worst time ever for a technology company to go public. I made it with six weeks of cash left. There is always a move.

Focus on the road – When they teach you how to drive a racecar, they tell you to focus on the road when you go around a turn. They tell you that because if you focus on the wall, then you will drive straight into the wall. If you focus on how you might fail, then you will fail. Even if you only have one bullet left in the gun and you have to hit the target, focus on the target. You might not hit it, but you definitely won’t hit if you focus on other things.

Play long enough and you might get lucky – In the technology game, tomorrow looks nothing like today. If you survive long enough to see tomorrow, it may bring you the answer that seems so impossible today.

Don’t take it personally – The predicament that you are in is probably all your fault. You hired the people. You made the decisions.

But you knew the job was dangerous when you took it. Everybody makes mistakes. Every CEO makes thousands of mistakes. Evaluating yourself and giving yourself an “F” doesn’t help.

Remember that this is what separates the women from the girls. If you want to be great, this is the challenge. If you don’t want to be great, then you never should have started a company.

The end

When you are in The Struggle, nothing is easy and nothing feels right. You have dropped into the abyss and you may never get out. In my own experience, but for some unexpected luck and help, I would have been lost.

So to all of you in it, may you find strength and may you find peace.

  • Seja Resiliente, tenha visão e acredite no seu trabalho

Por tudo mostrado acima e por mais outras 32468432 de histórias que o livro conta, Ben poderia ter desistido em milhares de ocasiões, mas mesmo com tudo contra ele (tempo, dinheiro, pessoas etc), ele persistiu e conseguiu fazer um exist incrível para e empresa e funcionários.

Existe uma linha muito tênue entre ser persistente e ser cabeça dura. Tem vezes que realmente não vai dar certo e você deve desistir, mas se você combina resiliência, visão e trabalho tudo, você provavelmente vai chegar lá.

O livro nos mostra o quanto situações difíceis vão nos atacar e que muitas vezes mais do que técnicas de marketing, vendas, finanças etc o que nós devemos ter mesmo é um psicológico muito forte para aguentar o dia a dia.

  • Seja um líder que inspira as pessoas

Sua empresa está longe das metas, seus resultados financeiros são terríveis, seu dinheiro em caixa está acabando, seu produto é pior que o dos concorrentes, investidores estão desconfiados em fazer uma nova rodada de investimento, você teve que fazer uma demissão em massa e mesmo assim a luz no fim do túnel ainda está negra.

O que você faria? Desistiria?

E em caso de continuar, como engajar centenas de pessoas nesse cenário?

Foi isso que Ben fez! Ele não só continuou na empresa, conseguiu dar a volta por cima, como inspirou e liderou centenas de pessoas de um cenário caótico para venda bilionária da Opsware.

Como ele fez isso? Liderando e motivando as pessoas mesmo nos piores momentos. Então, se você é do tipo que é carrasco ou que lidera pelo medo, pode ter certeza que sua empresa não sobrevirá por muito tempo.

Incentive as pessoas, seja transparente, honesto, justo e trabalhe duro que as pessoas terão mais facilidade em seguir você.

3) Game of Thrones

got-1

 

 

 

 

 

 

 

 

Sim! O livro é um milhão de vezes melhor que a série. Sim! Dá para aprender muito sobre empreendedorismo lendo GOT. Sim! Eu li e reli todos os que foram lançados até agora.

Tudo depende do olhar que você dá ao que lê, ouve ou vê. E você dando o olhar empreendedor a GOT verá o quanto você pode aprender com Tyrion, Mindinho, Varys, Jon, Cersei e todos os outros.

Abaixo os 3 principais pontos do livro para mim! Spoiler Alert…

  • When you play a game of thrones you win or you die

“Rhaegar lutou valentemente, Rhaegar lutou com nobreza, lutou com honra. E Rhaegar morreu.”

Essas duas frases representam bem um pouco da filosofia de algum dos personagens e nos deixam alguns ensinamentos.

Se você vai entrar em algum jogo você tem que entrar para vencer. Isso vale para o lançamento de um produto, de uma empresa, de um serviço, uma contratação etc. Se você vai brigar grande ou você ganha ou você morre. O famoso “Go big or go home”.

A segunda frase para mim é um complemento da primeira e também representa muito bem isso. De nada adianta lutar bravamente, ser justo, ser nobre e morrer. Ninguém quer morrer, ninguém quer perder, ninguém quer ter sua história limitada ou encurtada.

Então, de nada adianta você ter um produto excelente, um design incrível, uma marca linda, um nome apropriado se você não vende, se você não cresce, se você perde mais dinheiro do que gasta.

Para ser honesto, o mundo está pouco se fudendo para tudo isso. Ninguém liga para seu canal do you tube, para sua aparição na revista, para sua ida a televisão.

O que importa no final do dia é estar vivo, é contar sua história, é crescer e ganhar mais do que perder.

Não entendam essas frases com ser desonesto, corrupto etc. Entendam apenas que vocês precisam focar no que importa e fazer o que for necessário para isso dentro de uma linha aceitável.

  • Você precisa jogar e não dá para ganhar todas as brigas

Quem leu o livro sabe o jogo pesado que Mindinho, Tyrion e Varys fazem para conseguir o que querem.

Manipulam pessoas, fazem alianças, prometem coisas, tem olhos e ouvidos e tem todos os cantos e sabem exatamente em quem podem confiar ou não.

Óbvio que a vida real de uma empresa não pode ser dessa forma, mas a essência deve ser seguida.

Você claramente não pode ser desonesto, não pode manipular um ou outro para seu próprio bem, mas você deve ouvir pessoas, formar alianças e saber que as vezes para ganhar você precisa perder.

Formar alianças é muitas vezes um termo pejorativo e parece corrupção. Mas imagina que você faz aliança do seu setor com outros setores, que você faz aliança com outras empresas, que você faz aliança com outros líderes, que você faz aliança com o seu time etc.

Imagina que você muitas vezes perde algumas brigas para ganhar outras… se você briga por tudo certamente sua empresa está perdendo. Pois um cabo de guerra se instaura e ninguém faz nada. Seja inteligente e abdique de coisas que para você não serão tão importantes, mas que para outros será extremamente relevante. E dessa forma você terá apoio naquela briga maior que você deseja vencer.

Uma empresa não difere muito de política ou de uma briga por tronos. Todos tem ego, todos tem interesses envolvidos, todos tem necessidades e todos querem aparecer e serem relevantes. Aprenda a jogar o jogo, se adapte ao ambiente, entenda quem está do seu lado e quem está contra e use tudo isso a seu favor.

Agora, jamais ultrapasse a linha do respeito e da honestidade.

  • Não se deixe cegar pelo poder

Quando Cersei finalmente chega ao trono de ferro através do Tommen e passar a “tomar as decisões” você percebe claramente quando alguém está cega pelo poder e perde toda a capacidade de pensar e raciocinar entre o certo e o errado.

Ela passa a cometer ações por vingança, por impulso, por inveja ou simplesmente por pirraça.

E, claro, o final dela é degradante e humilhante.

Muitos líderes acabam entrando nessa cilada e acham que estão no auge, que não precisam mais aprender, que tem a melhor empresa, que tem dinheiro, que tem o melhor produto etc etc etc.

E isso cega. Isso limita. Isso afasta pessoas. Isso destrói amizades e empresas.

Então, sempre mantenha pessoas perto de você que te façam ter os pés no chão, que te façam pensar nas decisões, que te puxem para a realidade e que não deixem você tomar decisões por impulso ou raiva.

Espero que tenham curtido a lista, aprendido um pouco e pensado sobre algumas lições que esses livros passam! E, caso queiram ver resumos de livros e conteúdo de qualidade eu fortemente indico que conheçam o 12minutos.

* Bônus

* Meus livros preferidos de marketing e vendas:

* Minhas biografias preferidas:

* Meus livros de negócios preferidos:

Sobre o Autor

pedrorenan

Amante de Inbound Marketing e Marketing de conteúdo. CMO da We do Logos. Além de apaixonado por café, futebol, cerveja e Clube da Luta.

Ver todos os posts

4 Comments

Deixe uma resposta